A métrica da sustentabilidade

458-MAB-100_1

A sustentabilidade tem se tornado “estrela de primeira grandeza” no mundo corporativo. Presença obrigatória nos relatórios, informes e comunicados das organizações, é quase impossível não localizar a palavra e/ou expressão em cada 1 de 2 frases pronunciadas. Visão, missão e relatório que não as contenha é uma raridade.  Mas todo este vigor da fala não se reflete com a mesma intensidade na prática.

Se restringirmos a métrica aos discursos, falas e divulgações, temos um robusto ganho para a sustentabilidade. Mas, se fizermos pequenos filtros, metade não passará. E se colocarmos um filtro um pouco mais avançado, na excelência critica, daí então, a distância será avassaladora entre o que se fala e o que realmente se faz.

A métrica da sustentabilidade começa a agir já nesta incoerência do discurso com a prática. Neste ponto de partida já deu “inconsistência” e deixou de ser sustentável. Um dos fundamentos mais preciosos da sustentabilidade é a transparência, e neste caso a grande maioria não passa por falta de legitimidade.woman_metrica

Numa analogia de simples entendimento, vemos a sustentabilidade como a pirâmide da educação e formação escolar. Na base da pirâmide a grande maioria (ou praticamente todos) que cursa o ensino fundamental, e no topo da pirâmide apenas os melhores, doutores e phds. É uma caminhada que vai selecionando os caminhadores.

No Brasil temos o Programa Benchmarking que se tornou a fotografia (sem photoshop) da gestão socioambiental. Uma ferramenta de enorme contribuição para registrar o nível de amadurecimento e evolução da sustentabilidade nas organizações. Tem no seu corpo técnico (comissão técnica), especialistas de vários países que avaliam a excelência do “modus operandi” da organização por meio de suas práticas aplicadas em determinadas temáticas gerenciais da sustentabilidade.  Ao se olhar para o número de práticas certificadas e de organizações participantes versus a avalanche da divulgação e uso do termo sustentabilidade na mídia e relatórios fica claro a distância entre o que se prega e o que é realmente feito pelas organizações.  Muitos alfabetizados, pouquíssimos doutores. Muita divulgação, pouca legitimidade.

measure (1)Apesar do programa contribuir em muito com a gestão do conhecimento nesta área, disponibilizando os cases Benchmarking em plataformas para livre consulta, lançando publicações especializadas e realizando encontros técnicos que funcionam como mini audiências para transparência e compartilhamento do conhecimento aplicado, ainda é muito lento o amadurecimento e a prática da gestão socioambiental no Brasil. É uma área que carece de investimentos, de práticas, de contratações de profissionais especializados e principalmente de transparência para fazer juz a tudo o que se fala (e espera) dela.

Sobre o Programa Benchmarking Brasil: 

Bench_louro_verde_2016_pO Programa se consolidou como um dos mais respeitados Selos de Sustentabilidade do país. Com metodologia própria reconhecida pela ABNT, reconhece, certifica e compartilha as melhores práticas socioambientais das instituições brasileiras. Já certificou 339 práticas,  de 182 instituições de 26 diferentes ramos de atividades.

Com aproximadamente 200 especialistas de mais de 22 diferentes países participando da comissão técnica, o programa se tornou uma plataforma da inteligência coletiva em sustentabilidade.

Todo este conhecimento aplicado produzido pelos especialistas atuantes em sustentabilidade são compartilhados em publicações especializadas e eventos técnicos. Além do Banco Digital de práticas disponível na internet, são 03 livros publicados e mais de 60 encontros técnicos realizados, além de 11 edições da Revista Benchmarking.

Em 2013, o Programa foi o grande vencedor, 1o colocado, na categoria Humanidades do Prêmio von Martius de Sustentabilidade da Câmara Brasil Alemanha. Em 13 edições já realizadas construiu e detém o maior banco de boas práticas socioambientais certificadas e com livre acesso do país.

É considerado a fotografia da gestão socioambiental brasileira registrando seu nível de maturidade e evolução em sustentabilidade, e as inscrições de cases para concorrer a certificação Benchmarking que define o XIV Ranking dos detentores das melhores práticas socioambientais do Brasil poderão ser feitas no próprio site até 15 de abril. Para se inscrever, clique AQUI

A XIV edição do Programa Benchmarking Brasil conta com o apoio institucional do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) e do IAPMEI – Parcerias para o crescimento do ministério de economia do governo de Portugal, e com o apoio de divulgação de diversos portais especializados em sustentabilidade, e também mantém parceria com as escolas profissionalizantes Centro Paula Souza, IFSP e Senai SP,  e com as universidades Anhembi Morumbi, Uninove e Mackenzie nas modalidades Benchmarking Junior e Hackathon MAIS, respectivamente.

 

São Paulo, 01 de Abril de 2016
Assessoria de Imprensa
(11) 3257-9660/  37299005