Comissão Técnica 2009

7º Benchmarking Ambiental Brasileiro
Comissão Técnica 2009

Um dos pilares do Programa Benchmarking Ambiental Brasileiro é a sua comissão técnica que é única em seu formato de composição, analise e critérios de avaliação. Sua formação compreende nomes consagrados de personalidades e especialistas comprometidos com ações sustentáveis e ligados a entidades de reconhecido valor representando significativos segmentos da sociedade. São especialistas com sólidas formação e atuações relevantes no Brasil e/ou em outros países. Os critérios de avaliação são transparentes (ver metodologia) e os membros da comissão técnica avaliam a qualidade gerencial do case sem ter acesso ao nome da instituição. Abaixo os integrantes da CT 2009 em ordem alfabética.

O paradigma atual da Sociedade Sustentável (SS) substitui o do Desenvolvimento (in) Sustentável (DS) que foi adotado sem critérios pelo setor corporativo por estar na moda, porém sem que se saiba seu valor intrínseco. O paradigma da SS veio da Educação Ambiental face ao Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (TEASS). Esse tratado foi integralmente transformado na segunda versão do Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA). Esse paradigma então que possui indicadores opostos ao DS é o referencial para o planejamento e a construção inovadores de novas práticas no contexto empresarial.

Alexandre de Gusmão Pedrini – Membro do CONEMA – Conselho Estadual Meio Ambiente e Professor Adjunto da UERJ – Rio de Janeiro/RJ/Brasil

Míni Currículo: Biólogo, mestre e doutor atuando, principalmente, nos ambientes corporativo, do ecoturismo e das mudanças climáticas, sob o prisma do TEASS e do ProNEA. Estágio nas Universidade de Paris VI, Universidade de Aix-Marseille (França) e Universidade de Trieste(Itália). Professor Adjunto do Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Membro do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Conema), Rede Brasileira de Educação Ambiental,Membro do Conselho Editorial da Revista Brasileira de Educação Ambiental, Revista Olam-Ciência e Tecnologia, Revista Brasileira de Ecoturismo, Ambiente e Educação. Membro do Júri do Prêmio da Fecomércio de São Paulo. Possui 6 livros publicados, sendo três em Educação Ambiental pela editora Vozes. Publicou cerca de 50 artigos no Brasil e exterior.

Felicito a iniciativa do Programa Benchmarking Ambiental Brasileiro em destacar a importância das boas práticas empresariais que contribuem para o desenvolvimento sustentável. É, para mim, um grande privilégio participar da Edição 2009.

Arthur Powell – Cientista social e professor da Rutgers University, Departamento de Educação Urbana – Nova Jersey/USA

Míni Currículo: Professor Associado de Matemática e Educação Matemática no Depto Educação Urbana na cidade universitária de Newark da Universidade de Rutgers, Nova Jersey. Cientista Senor de Pesquisa de Diretor Associado do Instituto Robert B. Davis para Aprendizagem da Faculdade Pos-Graduada de Educação da Universidade de Rutgers, Novo Brunswick, Nova Jersey. É o vice-presidente passado do Grupo Internacional de Estudo para Ethnomathematics e neste momento, dirige o Grupo de Pesquisa em Comunicação, Tecnologia, e Educação Matemática. Tem inúmeras publicações científicas e promove colaborações internacionais entre educadores da Universidade de Rutgers com educadores do Hemisfério do sul (Moçambique, África do Sul, Brasil, e Haiti). Nos Estados Unidos fundou em 2003 a Escola Independente de Bronx Melhor Aprender, para a formação global das gerações abordando linguagens mundiais, estudos sociais e ambientais, ciência, e matemática. Nova Jersey, USA.

Até alguns anos atrás os sinais da crise ambiental ainda permitiam que algumas pessoas se enganassem pensando que as soluções apareceriam ao seu devido tempo. Atualmente isso não é mais possível. Os dados apresentados pelo Painel Intergovernamental para as Mudanças Climáticas deixam o problema muito claro. Estamos inseridos em um grave e acelerado processo de degradação ambiental e todos os dias os sinais do planeta nos mostram que não estamos fazendo o suficiente. Cidadãos, cientistas, autoridades, empresas, professores e alunos, todos temos que procurar não apenas nos engajar com mais intensidade na reversão da pegada ecológica das nossas práticas, mas encontrarmos soluções inovadoras e até mesmo radicais. Nada, além disto, será suficiente.

Asher Kiperstok – Pesquisador CNPq e Coordenador da Rede de Tecnologias Limpas e Minimização de Resíduos – (TECLIM)-Salvador/BA/Brasil

Mini Currículo: Engº Civil pelo Technion, Instituto Tecnológico de Israel, 1974, MPhil e PhD em Engenharia Química Tecnologias Ambientais pela University of Manchester Institute of Science and Technology, 1996, e pesquisador do CNPq. Coordenador da Rede de Tecnologias Limpas da Universidade Federal da Bahia que trabalha em parceria com empresas e instituições públicas no sentido de implementar os conceitos de Prevenção da Poluição e Produção Limpa. Professor Associado da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia e Consultor Ad-hoc da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia. Publicou 26 artigos em periódicos especializados e 113 trabalhos em anais de eventos. Possui 14 capítulos de livros e 3 livros publicados. Atua na área de Engenharia Sanitária e Ambiental, com ênfase em Prevenção da Poluição, Minimização de Resíduos e Produção Limpa. Pesquisa as temáticas: Otimização Ambiental, Produção mais Limpa, Meio Ambiente, Reuso de Água, Minimização do uso da Água, Desenvolvimento Sustentável, Minimização de Resíduos e Otimização de Processos.

O reconhecimento, incentivo e divulgação de práticas sustentáveis são ferramentas essenciais para o estabelecimento de um novo processo produtivo. Neste sentido, o Programa Benchmarking Ambiental Brasileiro é uma referencia no reconhecimento de práticas de gestão socioambiental corporativa! Ë uma oportunidade de debater e divulgar o tema.

Bernadete Lange – Especialista Ambiental do Depto de Desenvolvimento Sustentável do Banco Mundial – Brasília/DF/Brasil

Mini Currículo: Bacharel e licenciada em Biologia e Mestre em Zoologia com especialização em sistemática zoológica e aperfeiçoamento em planejamento ambiental integrado em zonas costeiras, manejo de áreas protegidas e em gerência de projetos. Atua desde 1993 em conservação de bioodiversidade e manejo ambiental. Fez parte dos quadros de profissionais da Sociedade de pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS) e do WWF-Brasil, coordenando equipes multidisciplinares e programas integrados de conservação e desenvolvimento sustentável. Atuou no Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente em seu escritório no Brasil(PNUMA/ROLAC/Brasil). Atualmente é especialista ambiental do Departamento de Desenvolvimento Sustentável no escritório do Brasil do Banco Mundial.

Benchmarking é a tecla inicial para desenvolver com sucesso a sustentabilidade, partindo das melhores experiências para os melhores interesses comuns. Compartilhar práticas de excelência significa crescimento e oportunidade para desenvolver talentos específicos, e isto é sustentabilidade.

Carlo Pignatari – Presidente da CNA Innovazione Centro de Inovação SMEs, e Membro da Associação Empresarial Italiana Região Emilia Romana – Bolonha/Itália

Mini Currículo: Administrador de Negócios atuando há mais de 15 anos com a metodologia Benchmarking para a capacitação e desenvolvimento organizacional das pequenas e médias empresas. Suas atividades estão no campo da estratégia, organização e inovações tecnológicas e gerenciais. Atualmente é presidente da CNA Innovazione, Centro de Inovação das SMEs, instituição especializada na implantação de economias sustentáveis e membro da Associação Empresarial Italiana da Região de Emilia Romana – Bolonha, Itália.

Nossa experiência como professor e pesquisador da Fundação Dom Cabral nos deu consciência da enorme necessidade do mundo empresarial brasileiro quanto às práticas promotoras de sustentabilidade. Ainda mais nos momentos dessa crise em que vemos se desmanchando empresas, economias de países e crenças. A plena difusão de conhecimento devidamente qualificado talvez seja a maior possibilidade que este Programa nos oferece!

Claudio Bruzzi Boechat – Coordenador do Centro de Estudos para a Sustentabilidade da Fundação Dom Cabral – Belo Horizonte/MG/Brasil

Mini Currículo: Engº Eletricista(UFMG) e especialista em Engenharia Econômica (FDC). Atua como professor, pesquisador e gerente de Projetos do Núcleo de Sustentabilidade e Responsabilidade Corporativa, da Fundação Dom Cabral, em Belo Horizonte. Seu principal campo de estudo é o desenvolvimento de conhecimento sobre a gestão empresarial responsável e comprometida com a sustentabilidade. A par da atuação como professor em programas abertos e fechados da FDC, tem proferido palestras e escrito artigos e trabalhos acadêmicos sobre o tema, no Brasil e no exterior. Representa a FDC em diversos fóruns nacionais e internacionais.Representante brasileiro na Iniciativa Liderança Globalmente Responsável, empreendida pela ONU-Global Compact e pela Fundação Européia para o Desenvolvimento da Gestão, e na Força Tarefa da ONU para os Princípios da Educação Executiva Responsável. Belo Horizonte, Brasil.

É assinalável a resposta de muitas organizações aos desafios colocados pelos atuais modelos de produção e consumo, de forma voluntária e em colaboração com as suas partes interessadas. Reconhecem que a melhoria do seu desempenho ambiental, económico e social é crucial para assegurar a sua sobrevivência a prazo, numa sociedade mais justa, próspera e ambientalmente viável. Por outro lado, a multiplicidade de estratégias e práticas associadas à responsabilidade social exige um escrutínio cada vez mais objectivo e transparente da actuação das organizações, bem como o reconhecimento e promoção de iniciativas e modelos de gestão sustentáveis e inovadores. Parabéns, portanto, à iniciativa Benchmarking Ambiental Brasileiro.

Cristina Rocha – Investigadora Centro de Desenvolvimento Empresarial Sustentável do Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação (INETI) – Lisboa/Portugal

Mini Currículo: Engª do Ambiente e Mestre em Engenharia Sanitária pela Universidade Nova de Lisboa. É Investigadora do Centro para o Desenvolvimento Empresarial Sustentável do Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação (INETI), onde vem desenvolvendo actividades e projectos a nível nacional e internacional nas áreas da produção sustentável, ecodesign e desenvolvimento sustentável produto, gestão ambiental e responsabilidade social das organizações. Até 2008 foi presidente da Comissão Técnica 164 (R. Social), dinamizada pela Associação Portuguesa de Ética Empresarial e responsável pelo desenvolvimento da Norma Portuguesa 4469-1:2008 sobre essa temática.

Vivemos em uma epoca marcada por grandes mudancas que evidenciam a necessidade de encontrarmos formas mais sustentaveis de viver. A transicao para uma sociedade sustentavel depende de liderancas que sejam capazes de inovar, disseminar boas iniciativas e engajar pessoas em processos que transformem a relacao que temos com nossos semelhantes, com a natureza e o modo como produzimos e consuminos. Iniciativas que nos permitam conhecer e divulgar boas iniciativas em direcao à sustentabilidade sao sempre bem vindas.

Dalberto Adulis – Coordenador Executivo ABDL – Associação Brasileira Desenvvolvimento para Lideranças e Diretor LEAD Brazil- Leadership for Environment and Development – São Paulo/SP/Brasil

Mini Currículo: Coordenador Executivo da ABDL e Diretor do LEAD Brazil. No mesmo período também foi Diretor Executivo Adjunto da RITS – rede de informações para o terceiro setor. Anteriormente coordenou projetos e pesquisas no CEATS (Centro de Estudos em Administração do Terceiro Setor da USP) e na FIA/FEA/USP. É mestre e graduado em Administração pela FEA/USP com formação em Ciências Sociais através da realização de cursos e seminários na FFLCH/USP (Faculdade de Filosofia, Letras, Ciencias Sociais e História da USP), Université Paris V e Collège de France. É membro da ISTR (International Society for Third-Sector Research), ARNOVA (Association for Research on Nonprofit organization and Voluntary Action) e ISOC (Internet Society).

A crise financeira internacional é uma excelente oportunidade de repensarmos o desenvolvimento. Agora, não mais de forma unidimensional, considerando apenas a economia, o crescimento econômico, mas de forma multidimensional, tomando em consideração a conversação ambiental e a equidade social.

Elimar Pinheiro do Nascimento – Diretor do Centro Desenvolvimento Sustentável da UnB – Brasília/DF/Brasil

Mini Currículo: Sociólogo, com doutorado pela Universite de Paris V (Rene Descartes, 1982), professor do departamento de Sociologia da UnB, atualmente diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentavel da mesma Universidade. Tem experiência na área de análise politico-social , com ênfase em comportamento sociopolítico, e planejamento, com enfase em organizações públicas. Pesquisa e publica, principalmente, sobre os seguintes temas: conflitos socioambientais, desenvolvilmento sustentavel, participação social e politicas públicas.

Os mercados querem mudanças rápidas e profundas para práticas mais sustentáveis e os líderes empresariais começam a ver a sustentabilidade como um ativo a ser administrado, pela competitividade que proporcionam, e que portanto deve ser considerado nas estratégias de gestão de riscos. O papel do Programa Benchmarking Ambiental Brasileiro é incrivelmente importante por identificar e divulgar as melhores práticas, estimulo duplo para apoiar e estimular essa mudança.

Guido Petinelli – Vice Presidente da iLiv Tecnologias Integradas de Green Building e membro do Royal Architect Institute–Montreal/Canadá

Mini Currículo: Arquiteto com Mestrado em Arquitetura pela McGill University e certificado pelo Programa de Empreendedorismo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) Sloan School of Business. Diretor de Desenvolvimento para o World Green Building Council (WorldGBC) até dezembro de 2008 onde liderou a criação e o desenvolvimento de novos Conselhos e expandiu a rede de parceiros e apoiadores na América do Norte e Sul, Europa, África e Oriente Médio. Desempenhou papel fundamental no estabelecimento do GBC Brasil, onde é membro do Conselho Fundador bem como do Comitê Diretivo LEED®. Foi consultor LEED ® para o World Trade Center, de Dubai, que com 1 milhão de metros quadrados, é um dos maiores projetos LEED® do mundo. Integra vários Comitês Diretivos e Técnicos de sustentabilidade. É LEED ® Accredited Professional e membro do Royal Architect Institute of Canada, do Canada Green Building Council e U.S. Green Building Council.

O novo contexto global exige, cada vez mais, por parte das empresas, governantes e sociedade a capacidade de levar em consideração fatores sociais, ambientais e econômicos de uma forma equilibrada em suas tomadas de decisão. A construção sustentável é uma destas soluções. É com exemplos como este do Programa Benchmarking Ambiental Brasileiro, que conseguiremos nos comunicar e priciplamente disseminar novos conhecimentos a sociedade na busca deste desáfio. Fico muito grato em poder participar deste seleto grupo, da comissão de avaliação desta premiação.

Marcos Casado – Gerencia Técnica do Green Building Council Brasil – São Paulo/SP/Brasil

Mini Currículo: Engenheiro Civil com especialização em Administração e Gestão Ambiental coordenou a certificação da primeira construção sustentável da América do Sul pelo LEED – USGBC. Atual gerente técnico do Green Building Council Brasil trabalha para desenvolvimento de tecnologias e materiais para construções sustentáveis. Atua junto a órgãos públicos e instituições financeiras, facilidades para implantação das construções sustentáveis no mercado brasileiro. É responsável pela ferramenta LEED no Brasil atuando junto aos acadêmicos, consultores, entidades de classe, e especialistas da cadeia produtiva da Construção Civil.

Nosso desafio hoje não é apenas solucionar uma crise econômica, encontrar o equilíbrio do meio ambiente ou buscar uma sociedade mais justa. Trata-se de algo mais profundo, ou seja, transformar toda uma civilização, tomando como base valores morais que foram perdidos. A ética vale a pena!

Maria Cecilia Coutinho de Arruda – Presidente da ALENE (Asociación Latinoamericana de Ética Negocios y Economia), membro do Comitê Executivo ISBEE (International Society of Business, Economics, and Ethics) e Coordenadora CENE-FGV/EAESP – São Paulo/SP/Brasil

Mini Currículo: Graduada em Economia (USP), com mestrado em Administração de Empresas (FGV-SP), doutorado em Administração (USP) e pós-doutorado em Ética e Propaganda na City University of New York, USA. Atual professora FGV-SP, e do ISE – Instituto Superior da Empresa (IESE – Brasil), presidente da ALENE- Asociación Latinoamericana de Ética Negocios y Economia, membro do conselho consultivo da RGSA – Revista de Gestão SocioAmbiental, membro do Conselho de Ética da ABAP Associação Brasileira de Agências de Publicidade, conselheira consultiva da FIDES – Fundação Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Social, e membro do corpo de consultores da Universidade Norte do Paraná. Tem diversas publicações em revistas especializadas e atuou como economista em equipes de Secretários do Governo do Estado de São Paulo, nas Pastas da Saúde, Defesa do Consumidor e Fazenda. Pesquisadora, executiva e consultora na área de Administração, com ênfase em Marketing, Negócios Internacionais, Ética e Responsabilidade nas organizações, Gestão de Pessoas.

Não poderá haver desenvolvimento sustentável do mundo externo se o processo de mudança nao ocorrer nas pessoas. O desenvolvimento sustentável para um Mundo melhor começa internamente, a sustentabilidade interior em cada um de nós. Do livro ‘Novos Paradigmas Ambientais’ escrito pelo autor em 2001, Editora Vozes, 2ª Edição.

Ricardo Braun – Pesquisador NASA/UFRJ e ACES/Universidade de Aberdeen/Escócia

Mini Currículo: Foi um dos coordenadores do Fórum Global 92 – Centro Rondon-Roosevelt de Intercâmbio Ambiental (1993-1996). Elaborou as primeiras avaliações ambientais de planos estratégicos no Brasil, e desenvolveu estudos ambientais pioneiros para a Organização Internacional do Trabalho (OIT/ONU) em Genebra. Consultor do MMA e organismos internacionais, inclusive do setor de petróleo e gás. Pesquisador associado do NASA/UFRJ e do ACES/Universidade de Aberdeen. Seus interesses paralelos sao o eco-design e a produção de filmes da natureza. Aberdeen, Escócia

A despeito dos céticos de plantão, que, em defesa de suas ideias, costumam desqualificar as teses do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas a humanidade está diante do chamado “desafio 80-20: reduzir em 80% as emissões de gases de efeito estufa nos próximos 20 anos. Chegou ao fim a era industrial, baseada no trinômio extrair-produzir-descartar. Acabarm os tempos do ou/ou: ou se produz desenvolvimento ou se é sustentável. Indivíduos terão de aprender a consumir de forma consciente. Empresas precisarão aprender a produzir de forma responsável. Nesse sentido, toda e qualquer iniciativa que vise registrar boas práticas, como o BenchMais, são muito bem-vindas.

Ricardo Voltolini – Publisher da Revista Idéia Socioambiental e Articulista de Responsabilidade Social da Gazeta Mercantil – São Paulo/SP/Brasil

Mini Currículo: Jornalista (Metodista) com MBA (FIA-USP), especialização em Sociologia (Escola de Sociologia), Produção Cultural e Planejamento Estratégico Turismo (ECA-USP). É também consultor de terceiro setor e responsabilidade social, publisher da revista Idéia SocioAmbiental e articulista do tema Responsabilidade Social na Gazeta Mercantil assinando artigos sobre Responsabilidade Social Empresarial, Sustentabilidade, Aquecimento Global, Consumo Consciente, Marketing Ético, Relatórios Sociais e Ambientais, Tendências Internacionais e Líderes Sustentáveis. Autor de livros sobre Marketing Ambiental e 3º Setor, já participou do júri do Prêmio Ayrton Senna de Jornalismo, do Prêmio Von Martius de Sustentabilidade, do Concurso Universidade Solidária e do Prêmio LIF de Responsabilidade Social da Câmara França-Brasil.

A busca por uma sociedade sustentável deve ser partilhada por todos nós. Cada membro da sociedade deve buscar maneiras de contribuir para a reinvenção do seu dia-a-dia onde as questões sociais e ambientais assumam o mesmo colorido dos aspectos econômicos. Iniciativas como as do Benchmarking Brasil funcionam como um catalisador deste processo possibilitando que empresas possam aprender e inovar a partir de iniciativas existentes.

Roberta de Carvalho Cardoso – Coordenadora do Grupo Ética e Sustentabilidade do CRASP-SP – São Paulo/SP/Brasil

Mini Currículo: Doutora com estudos na área de Sustentabilidade pela Fundação Getúlio Vargas/ EAESP e Pós-Graduada em Administração, com ênfase em Marketing, pela Fundação Getúlio Vargas / EAESP e pelo ISA / Institut Supérieur des Affaires, Jouy-en- Josas, França. Coordenadora Técnica do Programa de Responsabilidade Social e Sustentabilidade no Varejo da FGV-EAESP. Coordenadora do Grupo de Ética e Sustentabilidade do Conselho Regional de Administração do Estado de São Paulo. Conselheira do Conselho Regional de Administração do Estado de São Paulo. Professora de pós graduação da FGV-EAESP e Senac. Instrutora do Uniethos, Autora de artigos e capítulos sobre sustentabilidade no varejo.

Acompanho o Benchmarking Ambiental desde o seu surgimento e sempre torci pelo seu sucesso. É uma iniciativa empreendedora que dá a oportunidade das empresas mostrarem suas ações em prol da sustentabilidade e, ao mesmo tempo, servirem de referência para aquelas que estão à procura de exemplos bem sucedidos para continuarem expandindo sua melhoria contínua. Numa época em que estamos vivendo diante de tantas incertezas, num mercado globalizado, que exige, cada vez mais, rapidez e eficiências ambiental, econômica e social, os bons exemplos devem ser cultivados e incentivados. E o trabalho do Benchmarking Ambiental tem sido justamente o de alimentar essa engrenagem empresarial com grande potencial transformador para o mercado ambiental brasileiro.

Sofia Jucon – Editora RMAI – Revista Meio Ambiente Industrial – São Paulo/SP/Brasil

Mini Currículo: Formada em Comunicação Social (UBC) com Pós Graduação em Gestão Ambiental (SENAC) e cursando Gestão em Marketing pela Universidade Metodista de São Paulo. Jornalista Responsável, Chefe de Reportagem e Redatora da revista Meio Ambiente Industrial. Coordenadora Executiva da FIMAI e do SIMAI – Feira e Seminário Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade e dos Seminários e Encontros Técnicos promovidos pela revista Meio Ambiente Industrial.