Sustentabilidade Seletiva

Não se cogita mais a hipótese do isolamento nas sociedades sustentáveis.  Assim como o aquecimento é global, a responsabilidade de combatê-lo também o é.  Este e outros temas que impactam a vida das pessoas e do planeta estão cada dia mais presente na pauta de interesse comum. 

Desde de outubro de 2015 a  agenda ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável) da ONU está sendo implementada com seus 17 objetivos para serem atingidos até 2030.  E, dentro deste contexto, as organizações desempenham papel fundamental. Assim como os pesquisadores, consultores, especialistas e lideranças são fundamentais na construção do conhecimento, as organizações são essenciais para colocá-los em prática. 

Organizações são lideranças ativas na construção de sociedades sustentáveis

A sustentabilidade é seletiva, e nada superficial.  Tem visão sistêmica, lógica e coerência, para premiar o bom e punir o mal com a mesma disposição. E desta forma, avançar no desenvolvimento das melhores práticas.  Quem assim age está contribuindo com a construção de sociedades sustentáveis. Seja pessoa física ou pessoa jurídica, está participando do processo e deixando seu legado. Somos frutos das práticas do nosso tempo, e serão elas o legado para as gerações futuras. Mas também existe o legado “vazio” da retórica sem práticas. Este é o legado danoso que impede avanços na direção do futuro desejável. Sociedades sustentáveis serão construídas por práticas que definem a direção do nosso caminho enquanto humanidade. E dentro deste contexto, as organizações são determinantes para acelerar este processo de up grade das sociedades nas quais estão inseridas. Devem assumir e praticar cidadania corporativa muito além do seu core business (produzir este ou aquele produto ou serviço),  mas se apropriar da sua condição de responsável por interferências significativas na vida de pessoas e povos, na proporção de seus tentáculos geoeconômicos. 

A sustentabilidade é seletiva, e nada superficial

O Programa Benchmarking Brasil alinhado com os ODS se tornou um efetivo movimento de valorização e de incentivo as boas práticas junto a organizações e sociedade. Mobiliza diferentes públicos nesta causa, a começar pelas empresas que assumem seu papel de liderança na construção de sociedades sustentáveis. 

Excelência, inteligência, e inovação são características próprias de modelos sustentáveis, e também presentes nos cases Benchmarking que são selecionados por especialistas de vários países. A metodologia de avaliação é reconhecida pela ABNT e os cases certificados Benchmarking (aqueles que atingem score para isto) são compartilhados em eventos e publicações especializadas (Fóruns, Seminários, Livros, Revistas e Bancos Digitais). Empresas e gestores com boas práticas podem inscrever seus cases para serem certificados até 31 de Março. 

Benchmarking Brasil – Um programa de valorização das boas práticas

O Programa Benchmarking realizou sua 1ª edição em 2003 e pela seriedade e formato inovador tornou-se um dos mais respeitados Selos de Sustentabilidade do País. Hoje com 1 modalidade âncora e 5 modalidades paralelas é o mais legítimo dos movimentos de sustentabilidade pela pluralidade de vozes que congrega. Empresas, Universidades, Escolas Técnicas Profissionalizantes, Órgãos e entidades representativas e governamentais, Artistas, Personalidades, e mídia especializada fazem parte da iniciativa que está em sua 15a edição. 

A metodologia de seleção e certificação do Programa Benchmarking tem o reconhecimento da ABNT. Em 2013, Benchmarking Brasil foi o grande vencedor (1° colocado) na categoria Humanidades do Prêmio von Martius de Sustentabilidade da Câmara Brasil Alemanha. É considerado a fotografia da gestão socioambiental brasileira registrando seu nível de maturidade e evolução em sustentabilidade. 

O Programa Benchmarking já certificou 356 práticas de 186 instituições de 26 diferentes ramos de atividades. Com aproximadamente 200 especialistas de 21 diferentes países participando da comissão técnica, o programa se tornou uma plataforma de inteligência coletiva em sustentabilidade trabalhando com diferentes públicos para fortalecer o movimento das boas práticas junto a sociedade brasileira. Todo este conhecimento aplicado produzido pelos especialistas atuantes em sustentabilidade são compartilhados em publicações especializadas e eventos técnicos. Além do Banco Digital de boas práticas disponível na internet com grande visitação, mais de 60 encontros técnicos já foram realizados. 03 livros publicados (BenchMais 1, 2 e 3) e 12 edições veiculadas da Revista Benchmarking (versões eletrônica e impressa) distribuídas gratuitamente para público atuante e interessado nesta temática. 

A XIV edição do Programa Benchmarking Brasil contou com importantes apoios. São eles: Apoio Institucional: TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) e do IAPMEI – Parcerias para o crescimento do ministério de economia do governo de Portugal. Apoio Divulgação: Envolverde, Pensamento Verde, Acionista, RSOPT (Rede de Responsabilidade Social das Organizações de Portugal), e Revista Meio Ambiente Industrial. Apoio Acadêmico: Escolas Profissionalizantes Centro Paula Souza, IFSP e Senai SP, e, Universidades Anhembi Morumbi, Uninove e Mackenzie. O XIV Bench Day, se realizou nos dias 29 e 30 de junho de 2016 no Hall Nobre e auditório do Tribunal Regional Federal da 3a Região – Av. Paulista, 1842 – 25o andar, em São Paulo/SP. Inscrições de cases para a XV Edição: 24 de janeiro a 31 de março de 2017. Mais informações no site benchmarkingbrasil.com.br

 Inscrições de cases para a XV Edição: 24 de janeiro a 31 de março de 2017.

Mais informações, visite        TOP FIVE