Compartilhar práticas tornam as empresas mais transparentes em seus propósitos

Economia, Sustentabilidade, Estratégias e Práticas dão o tom da gestão moderna de sucesso. Mas enquanto se fala muito sobre economia e estratégias, quase nada é dedicado as práticas. E a sustentabilidade entra como coadjuvante causando a impressão que está ali imposta, similar a um sistema de cotas.

O estranho é que sem estabilidade a economia vai mal, e sem práticas não há estratégia que se sustente. Curioso, mas a estabilidade é um princípio da sustentabilidade (equilíbrio), e as práticas, sem elas, nada acontece. Neste debate, a verdade é uma só – as práticas dão o tom do resultado, e as estratégias, o tom da conversa. A sustentabilidade está subentendida na estabilidade econômica com seus benefícios socioambientais.

Deduções a parte, o fato é que estratégias não foram feitas para discutir o sexo dos anjos, e nem práticas foram feitas para ficar no campo das intenções. Então, o correto é no mínimo terem peso igual no debate e na demonstração junto aos stakeholders.

Mas na realidade o que vemos são explanações “1a classe” paraas estratégias e resultados, e abordagens “Classe econômica” para as práticas. É recorrente colocar holofotes nas estratégias e resultados, e deixar em segundo plano, as práticas que levaram aquele resultado.

Organizações líderes desenvolvem boas práticas porque sabem que sem elas não há estratégia que se sustente e nem objetivo que se alcance

Em se tratando de sustentabilidade (social, ambiental e econômica), a transparência é fundamental. Os stakeholders querem resultados sim, mas principalmente resultados perenes e sem surpresas futuras. E isto só será possível se incluirmos as práticas na conversa e na demonstração.

Os stakeholders querem saber como você chegou lá? Quais foram os desafios e as soluções encontradas no caminho? Com qual prática conseguiu os tais resultados? São tantas nuances da sustentabilidade que não basta chegar lá, tem que mostrar como chegou, as práticas que adotou. Porque chegar lá a qualquer preço não está valendo mais. A realidade tem mostrado são as práticas responsáveis pelo nível de riscos e resultados a médio e longo prazo.

Compartilhar práticas tornam as empresas mais transparentes nos seus propósitos. Assim, elas exercem suas lideranças apontando caminhos, detalhando práticas.

Para ser considerado legítimo e sustentável o avanço anunciado em seus indicadores é necessário conhecer as práticas adotadas para tal, sem omissões. Donde se concluí que falar de práticas exige mais atenção e verdade, pois requer o detalhamento do passo a passo, e talvez por isto, não recebam o mesmo holofote dado as estratégias e resultados.

Organizações líderes desenvolvem boas práticas porque sabem que sem elas não há estratégia que se sustente e nem objetivo que se alcance. Detalham-as em alto e bom som, com orgulho e firmeza. Não tem nada a esconder, pelo contrário. Compartilhar suas práticas somente as tornarão mais transparentes nos seus propósitos. Exercem suas lideranças apontando caminhos, detalhando práticas. E não por acaso, se tornam e permanecem líderes enquanto assim fizerem.

Sobre Benchmarking Brasil: 

Um respeitado Programa de Sustentabilidade que reconhece, certifica e compartilha cases e projetos de boas práticas para acelerar o desenvolvimento técnico da gestão socioambiental brasileira. São mais de 400 cases e projetos de diferentes modalidades selecionados por especialistas de vários países, e compartilhados em publicações (livros, revistas, portais e bancos digitais) e eventos presenciais (encontros, seminários, fóruns e congressos). Benchmarking Brasil se transformou numa significativa plataforma de inteligência coletiva pelo qualificado acervo construído em quase 2 décadas de atuação. Os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) estão inclusos na metodologia de seleção dos cases e projetos, e as metas e compromissos do Programa estão na plataforma SDG (Sustainable Development Goals) da Agenda 2030 da ONU. Mais informações: www.benchmarkingbrasil.com.br

Inscrições de Cases de Boas Práticas de sustentabilidade para Certificação Benchmarking até 31/03/2019